A volta dos que não foram (graças a Deus)!

Hoje (10), foi o dia mais cheio e divertido do Bestival. Como de costume, é quase que obrigatório se fantasiar no sábado (apesar de ter visto piratas, Wallys, índios e outros personagens durante os outros dias). Com o tema de Rock Stars, Pop Stars & Divas, o que não faltou foram Madonnas, Michael Jacksons e integrantes da banda Kiss. Diria que 90% do público estavam fantasiados, e tinha de tudo, apesar do tema. As fantasias variavam ; algumas eram improvisadas, com acessórios simples, como um chapéu; outras, criativas, como, por exemplo, um Michael Jackson segurando um bebê envolto por um lençol (lembram dessa cena bizarra do pop star mostrando o seu recém nascido filho para fora da janela?); havia também fantasias bem elaboradas, com colãs e bexigas; e algumas em grupo, como a família Smurf. O temperamento festivo e pacífico deram o tom do festival (não só, mas principalmente nesse sábado). Confesso que a maioria do público do Bestival é jovem, na faixa dos 20 e poucos anos, mas não era raro ver crianças, bebês e senhores fantasiados de rock stars, dançando em algum lugar do festival. Impossível não se contagiar com esse astral lúdico. Até mesmo quando o mau tempo insistia em perdurar, o público não desanimava, e quando o sol voltava, era recebido com uma salva de palmas.

casal fantasiado de rock stars

público fantasiado

Robin Hill Park

casal fantasiado

grupo de amigos vestidos de pop stars

???

"família Smurf"

família no terceiro dia do Bestival

casal fantasiado

público em fantasias criativas

fantasias elaboradas

público fantasiado

Hoje, também foi um dia muito importante para mim. Tive o privilégio de assistir, ao vivo, pela primeira vez, uma das bandas mais importantes do brit rock das últimas três décadas, The Cure. Sei que parece redundância (devido ao último post sobre o Groove Armada), mas o The Cure também é uma das minhas bandas favoritas. Ver o já senhor Robert Smith, vocalista do grupo e uma das fantasias mais presentes do dia, com uns quilos a mais, cabelo de menos, mas com sua voz intocável e inigualável, foi, sem dúvida, um marco na minha curta, porém bem intensa, vida. O grupo, que não se apresentava  ao vivo há algum tempo (essa foi a primeira apresentação do ano), fez um show memorável durante duas horas e meia, com direito ao melhor da discografia da banda (exceto Mint Car, que eu, particularmente, adoro). Segundo as próprias palavras do organizador e idealizador do Bestival, Rob da Bank, “custou muito sangue, suor e sofridos anos” para convencê-los a pegarem a balsa e tocarem no festival. Garanto que valeu cada gota.

The Cure tocando no Main Stage

Mas, colocando de lado o headline do terceiro dia, outras atrações mereceram destaque nesse sábado cinzento. Passaram pelo Main Stage as cantoras PJ Harvey e Kate B (essa última, infelizmente não consegui ver, pois estava tentando fazer um B.O., devido ao “desaparecimento”, durante o show do Groove Armada, da minha identidade portuguesa, cartão de crédito e dinheiro significativo). Também tocaram  o batido, porém sempre divertido grupo Village People, responsável pela coreografia mais imitada do festival, a dupla canadense de pop eletrônico Crystal Castles e,  já finalizando a noite, o grupo de rock alternativo Primal Scream. Outra atração do festival que eu não poderia deixar de mencionar foi a que rolou na tenda Time for Tease, um divertido cabaré com “robustas performers” fazendo strip-tease, enquanto era servido o tradicional chá da tarde inglês. Apesar de dizerem que a sessão mais bacana era a das  19:30, eu acabei pegando o show das 17:30 e foi uma experiência bem interessante, para não dizer outra coisa. Quando eu achei que já tinha visto de tudo…

show do Village People

Time for Tease

3 pensamentos sobre “A volta dos que não foram (graças a Deus)!

  1. […] Leia aqui como foi uma das primeiras apresentações – depois do retorno do grupo – no Bestival. [Popload] Share this:FacebookTwitterTumblrDiggPinterestStumbleUponLinkedInRedditEmailImprimirGostar disso:GosteiSeja o primeiro a gostar disso. Esta entrada foi publicada em Música and tagged Bestival, Festival, Isle of Wight, música, Rob da Bank, Robert Smith, show, show no Brasil, The Cure, The Cure no Brasil.Crie um bookmark para o Link permanente. Deixe um comentário […]

  2. […] Leia aqui como foi uma das primeiras apresentações – depois do retorno do grupo – no Bestival. [Popload] […]

  3. […] Leia aqui como foi uma das primeiras apresentações – depois do retorno do grupo – no Bestival. [Popload] […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s